História do Soroban na Guerra Mundial que Mudou o Japão

Tempo de leitura: 3 minutos

Uma parte da história do soroban na guerra, que a maioria das pessoas desconhece, é que ele quase foi banido do Japão após a vitória americana da 2ª Guerra Mundial.

Assim, após a rendição do Japão, foram enviados militares para ajudar na reorganização do país.

Porém, eles não enxergaram o valor do Soroban de pronto.

Simplesmente, tentaram retirar esta importante peça da Cultura Japonesa, tentando substituí-lo por calculadoras mecânicas ou eletrônicas.

A lógica por trás disso é simples: além do interesse em vender calculadoras por parte dos americanos, pois estávamos na fase da produção em massa.

Assim, o motivo principal é que quando um povo assimila uma cultura de um outro povo, é dominado por este povo.

Então, esta sempre foi uma estratégia de dominação utilizada pelos conquistadores.

Impunham a sua cultura.

Porém, somente em um caso a antiga Roma assimilou uma cultura, ao invés de impor a sua, em um claro momento de inteligência: quando Roma conquistou a Grécia e assimilou a sua cultura.

Assim, em um claro momento de lucidez de Roma, apesar de ter vencido a Grécia, admitiu a superioridade da Cultura Grega e por isso a assimilou.

E, nesse momento pós Segunda Guerra Mundial, a história se repete! Agora, os protagonistas são os Estados Unidos e o Japão.

Então, vamos entender uma parte desta saga!

Assim, voltemos ao Soroban.

O Japão, desde o início do século XX, já incentivava o uso do Soroban para o desenvolvimento mental.

Dessa forma, já organizava campeonatos para mostrar o quão rápidos se tornam os praticantes de Soroban.

Mas, o campeonato que foi decisivo para a sobrevivência do Soroban no Japão ocorreu em 11 de novembro de 1946.

Foi um confronto que ocorreu entre o Tenente norte americano Willian Wood que operou uma calculadora, contra o japonês Kiyoshi Matsuzaki operando o Soroban.

Por acaso, meu xará, a propósito, pois meu nome é Ricardo Kiochi … , só que com a grafia “aportuguesada”, graças ao atendente do cartório, rs…

Vencedor na História do Soroban na Guerra

Naturalmente, Kiyoshi Matsuzaki conseguiu vencer a disputa, com uma folga impressionante de tempo!

Só para você ter uma noção de como o Soroban é muito mais eficiente do que a calculadora.

Assim, imagine a seguinte cena: Um americano operando uma calculadora mecânica (ainda não existiam as calculadoras eletrônicas) digitando 1.000.000.

Claro, o americano vai ter que apertar tecla por tecla da calculadora!  São Sete Teclas!

Enquanto isso, Matsuzaki precisa movimentar apenas uma conta na posição do milhão!

Apenas 1 movimento de Matsuzaki contra 7 movimentos do tenente americano!

Foi Um Verdadeiro Massacre Aritmético!

E, graças a este verdadeiro Samurai Moderno, que venceu a disputa, o Soroban continua sendo ensinado nas escolas japonesas!

Também continua a contribuir de forma decisiva no desenvolvimento intelectual dos japoneses, já que é uma excelente academia para o cérebro, mantendo o Japão da vanguarda da Tecnologia de Ponta.

Kiyoshi Matsuzaki provou a superioridade do Soroban perante a calculadora.

E, além do Japão, os Estados Unidos também adotaram o aprendizado deste instrumento!

Você encontrará diversas escolas de Soroban em todos os estados americanos!

Assim como os antigos Romanos assimilaram a Cultura Grega, os americanos assimilaram parte da Cultura Japonesa, reconhecendo a sua Superioridade em Muitos Aspectos!

Se você quiser saber mais sobre a história do soroban na guerra, clique aqui!

Espero que tenha gostado!

Um grande abraço!

Por Favor, Deixe o seu Comentário!
Por Favor, Deixe o seu Comentário!